Friday, July 19, 2013

Como tornar a sexta num dia ainda melhor // How to make friday an even better day

Acabei de ter a minha primeira experiência como pseudo-mentora. A filha de uma colega minha quer escolher a vertente das artes no 12º ano e eventualmente seguir design e então a minha colega pediu-me para explicar à miúda como funciona, o que se faz, o que é bom, o que é mau... Enfim, as minhas impressões sobre o assunto. E foi uma experiência muito boa. A miúda tem imenso em comum comigo, eu também queria ser apenas artista, desenhar dias inteiros, sem tocar no computador. E depois as coisas seguiram outro caminho e durante algum tempo pensei se teria escolhido o caminho certo para mim.
Mas enquanto lhe descrevia alguns processos criativos porque já passei, contava experiências, explicava algumas regras, percebi que mesmo tendo tido algumas fases mais complicadas com esta profissão que escolhi, nunca me arrependi da minha escolha. Agora que procuro o equilíbrio entre os meus projectos pessoais (e os mil projectos que tenho) e a minha profissão, o design parece uma pequena fracção do que faço, mas a verdade é que tudo o que aprendi me faz sentir muito completa. Fiz as pazes com tudo o que possa ter sido mais negativo e sinto que agora faz parte de mim. E percebi que ela gostou da ideia, que considerou o design mais interessante do que pensava e que eu possa ter ajudado a dar-lhe uma noção mais abrangente das escolhas que ela terá daqui para a frente. Foi tão compensador. Era capaz de fazer isto muito mais vezes.

I just had my first "sort-of-mentor" experience. A co-worker's daughter wants to choose Arts in high school and maybe choose design in the future, so my colleague asked me if I could explain her daughter how does it work, what to do, what's good and bad... My impressions on the subject. And i had a really good time. The girl has a lot in common with me, I too wanted to be an artist, draw all day, don't use the computer at all. And the things changed and for a while I doubted it was the right path for me.
But as I described some creative processes I've been through, told my experiences, explained some rules, I realized that even through the rough phases in this profession, I never regretted my choice. Now that I'm searching balance between my personal projects (and the thousand ideas I have) and my profession, design seems like a small part of what I do, but the truth is everything I learned from it makes me feel complete. I made my peace and now I feel it's a part of me. And realized that she likes the idea, that she found design to be more interesting  than she thought and that I might have helped her to widen her choices from now on. It so fulfilling. I could do this many more times.

7 comments:

Mariana Neves said...

Curioso, esta semana fiz exactamente o mesmo para uma rapariga que estava a pensar seguir o meu curso, ainda que eu só lhe pudesse falar do curso em si. Mas é gratificante influenciar as pessoas com a paixão que nutrimos por aquilo que escolhemos/fazemos :)

Analog Girl said...

E o mais curioso é que já passei por tantos altos e baixos com a minha área que achei que pouco lhe podia ajudar, e acabei por redescobrir um interesse no design que já nem me lembrava que tinha. Acho que ainda me posso surpreender a mim mesma, e isso é muito bom. :)

B. Cérise said...

Tão bom essa sensação de sermos úteis com a nossa profissão!
Acho imensa piada quando explico porque gosto tanto do que faço e consigo rever-me em todas as decisões que tomei, mesmo que não tenham sido as mais felizes.
Sou professora e gostava de algum dia vir a saber que serei capaz de inspirar alguém como tive 2 professores que me inspiraram a mim :)

alva quase transparente said...

Infelizmente actualmente nao consigo dar essa perspectiva positiva e motivadora da minha profissão. A esfera é tão negra que prefiro nao falar disso a quem ainda tem sonhos.
P meu caso até é optimo, mas é uma excepção tão excepcional que também não me sinto bem em falar sendo que posso estar a criar verdadeiras ilusões.

Fico muito muito feliz que sintas essa "paz" e certeza mas escolhas. É maravilhoso

Ainda estou ba fase de conflito, alguma duvida

Analog Girl said...

B. Cérise, tens uma profissão tão bonita e importante. Tenho a certeza que o teu amor ao que fazes se vai traduzir em inspiração para os teus alunos. Eu tive alguns professores extraordinários, é incrível como me marcaram tanto ao longo dos anos. :)
beijinho

Alva, também já estive em fases muito negras com a minha profissão, algumas de rejeição, mesmo. Acho que hoje estou feliz com a formação que tenho, que é tão abrangente e completa e sinto-me muito feliz com isso. Se estou no meu emprego de sonho? Bem, nem por isso, mas vou procurando outras coisas que me fazem feliz e tentando evoluir noutras coisas que gosto, especialmente na ilustração. Quem sabe onde as nossas buscas nos levam. :)
Vais sair da fase negra, tenho a certeza. Beijinho grande e ânimo.

Ana Sofia Santos said...

eu julgava que o design (gráfico) era tão bonito e livre enquanto estudante.
enquanto trabalhadora, zanguei-me com ele, o encanto perdeu-se
mas acho que depende do caminho de cada um

Analog Girl said...

Isso também me aconteceu Ana Sofia, agora apesar de fazer um trabalho muito pouco criativo, percebo que ainda gosto muito dos príncipios por detrás do design. O facto de ter dado umas dicas levou-me a recordar que ainda faço um trabalho válido, que o que eu sei pode ser útil e interessante, nem que seja para a minha satisfação pessoal. :)