Sunday, September 21, 2014


Enquanto escrevo este texto que sei que vou apagar e reescrever até me sentir confortável, continuo sem saber que título lhe vou dar. 
É sempre difícil encontrar o título certo para um texto de regresso depois de dois meses de ausência, e explicar tudo o que mudou na minha vida. E é difícil explicar a mudança de cento e oitenta graus da minha vida, porque, mesmo sendo este um blog que se quer leve e descomprometido, sabemos que a vida não é sempre assim, nem o meu objectivo é iludir-me(vos) nesse sentido. 

Nos últimos posts referi várias vezes a falta de tempo, e como o trabalho parecia ter dominado a minha vida por completo. Abracei um novo projecto, estou sem férias de verdade há quase um ano, e o desgaste e o cansaço dominaram os últimos tempos. No entanto esta não era a minha única preocupação, algo mais ocupava os meus pensamentos e cresceu exponencialmente, tornou-se demasiado evidente para ser ignorada e em Agosto, ao fim de quase 12 anos, em que crescemos e lutámos juntos, eu e o P. decidimos que teríamos de continuar a nossa vida separados. 
Não é fácil fechar um capítulo destes, e enfrentar toda a atribulação que se segue, os assuntos que ficam em suspenso, uma casa e uma vida partilhada. No entanto permanece o carinho, o respeito, e (porque não?) o amor que nos faz desejar o melhor do mundo para o outro. E isso faz toda a diferença.

Estar em paz com uma decisão tão difícil é uma conquista na minha vida, e pela primeira vez em muito tempo, estou a enfrentar o futuro sem planos definidos, sem uma linha condutora, apenas na perspectiva da aprendizagem em reencontrar-me e definir-me, ainda que demore algum tempo. 

E há sempre lições positivas e boas surpresas que me têm preenchido o coração. Sei que continuarei a ser feliz, onde quer que este novo caminho me leve. E conto que o blog continue a fazer parte da minha vida, agora mais assiduamente.


(graffitti visto algures por Sintra nos últimos dias, que achei tão forte e definidor... Ninguém pode sonhar por ninguém, nem ser feliz por ninguém. Ando a aprender a ter novos sonhos e há algo de muito bonito nisso também. A vida não correu como planeei, mas não destruiu a capacidade de sonhar e imaginar um futuro feliz para mim...)