Thursday, October 4, 2018

Ai pessoas...!

Estou cansada das pessoas. Muito a sério. Cansada da facilidade com que as pessoas descartam e destratam as outras, a facilidade como empurram os outros com a barriga para ficarem eles próprios no centro das atenções. Não posso mais participar em conversas onde só te ouvem porque estão à espera da vez deles para falar, e isto quando te ouvem, porque grande parte das vezes impõem-se, dominam tudo e não te deixam sequer opinar porque apenas a opinião deles conta.

Detesto como vejo pessoas a tirar conclusões sobre os outros e como espalham as suas visões e opiniões deturpadas pela sua própria perspectiva da vida porque têm de odiar alguém, porque tem de haver um objecto de rejeição, de conversa, de desprezo conjunto. Porque rejeitar é fácil, rejeitar une pessoas sob um denominador comum. Excepto que há as que ficam de fora, as que são ignoradas. E por vezes muito obviamente rejeitadas, a tentar fazer de tudo para não serem postas de parte, mas sem sucesso.

Odeio quando rotulam assim as pessoas. Sem dó nem piedade, sem tolerância, sem um mínimo de compreensão e compaixão.
Odeio que essas atitudes de merda sejam tão tóxicas que contaminem todos em redor.

Não sou nenhuma santa. Eu ainda julgo, critico e aponto o dedo. Mais vezes do que gostaria. Mas se antes o fazia e empinava o nariz, orgulhosa, hoje repenso, recolho o braço esticado em tom acusador e questiono. Não conheço o íntimo de ninguém, não sei o que passa, não sei as dores por que passam. E se não me está a fazer mal ou a provocar uma ofensa mortal, que direito tenho eu de rebaixar alguém? Porque me irrita? Porque não é igual à carneirada?

Infelizmente há quem queira ter a razão à força, que impõe a sua verdade impugnável e com isso empurra os outros para fora de vista. Como se isso não ofendesse também. Como se isso não magoasse.

O que nos dá o direito de atropelar assim as pessoas? Porque raio isso nunca ficou arquivado nos tempos de escola? Onde anda a compreensão e tolerância que tantos gostam de aclamar mas que depois quando lhes convém, fica esquecida?

Não precisamos de ser todos amigos de toda a gente e amar o mundo, claro que existem círculos mais restritos e devemos estar com quem nos diz mais, mas não é sempre assim que funciona a vida, também temos de tolerar e conviver com quem não nos é tão próximo. Rejeitar e rebaixar só porque é conveniente ou porque nos achamos na posse de uma qualquer posição superior à dos outros não é aceitável. Não sejamos então estas bestas críticas e intolerantes, não façamos aos outros aquilo que não gostamos que nos façam a nós. Será que custa muito?

Foda-se, eu achava que não. Mas já me enganei por menos…

Tuesday, October 2, 2018

Coisas que aprendi e não acreditava que eram reais (felizmente não são muitas)

Pessoal, estamos num impasse, porque ando verdadeiramente sem vontade de escrever.  As ideias para posts e pensamentos avulsos continuam a brotar desta cabecinha, mas quando coloco o dedo no teclado, nada sai. É um pouco frustrante, porque sinto que a minha cabeça está a entrar num estado de absoluta incapacidade de funcionar como devia. Sim, eu sei, agora tenho um bebé, que não dorme grande coisa, que não me larga, que eu amamento (e de alguma forma, acho que isso influencia a minha capacidade cerebral), como demasiado açúcar, tenho muita coisa (sopeirices) a acontecer na minha vidayaddayaddayadda.
Eu sei que um bebé nos rouba atenção, espaço, sanidade mental, e recentemente passei (espero que já tenha passado mesmo) uma fase catastrófica porque, depois ter passado 5 meses entre os primeiros dois dentes e o terceiro, e de repente nas duas últimas semanas apareceram três a espreitar sem aviso prévio, o que acredito que provocou a quantidade de noites mal dormidas que, ainda por cima, coincidiram com uma constipação do demo que não me larga há 2 semanas.

Portanto estamos bem.

Ainda assim, e apesar de eu me sentir absolutamente incapaz de juntar as ideias em frases coerentes e relativamente curtas, queria partilhar convosco algumas coisas que me diziam que iriam acontecer quando fosse mãe, e que ou não acreditava muito nelas (ou achava-as um pouco forçadas).

A primeira, eu era uma gabarolas com a minha imunidade. Raramente ficava doente, a única maleita que padecia era de alergias, que, com o passar dos anos têm vindo a abrandar. Não tinha febre há mais de uma década. Apanhava vento e correntes de ar sem um pio. Se estivesse um pouco mais afectada um dia de chá e brufens aliviava a coisa. E já me tinham dito que quando tivesse filhos o corpo ia reagir de maneira diferente e que apanhávamos facilmente as doenças dos putos e afins. A minha tosse de cão e o meu nariz pingão sem fim à vista confirmam esta tese, desde que o puto nasceu que eu sou uma menina. E pior, com a amamentação estou estupidamente limitada na medicação, e obviamente que não há cá aguardente com mel. Uma tristeza portanto. Sinto-me como o super-homem junto à kriptonite.

Segunda, que me esqueço das coisas mais facilmente. Esta vai e vem. Ainda acho que continuo a ter uma boa memória – e a prova disso é que ontem no trabalho, a falar com um colega, e com esta constipação e noites mal dormidas, lhe lembrei que ele se estava a esquecer do café na máquina. Nem tudo está perdido. Mas então no que toca ao blog, acontece-me mais vezes do que quero admitir, tenho ideias para posts e quando vou tentar ordenar ideias… esqueci-me (aliás, compilar as ideias para este post foi um feito, esqueci-me várias vezes do que queria escrever, e é aqui que sinto que os smartphonesforam das melhores invenções da humanidade).

Terceiro, que no fundo no fundo, eles dão bem menos trabalho quando são bebezinhos. E eu confesso que não acreditava muito nesta porque passei horrivelmente mal nos primeiros tempos. Aquelas coisas que ninguém fala: não me sentia particularmente apegada ao bebé, sentia-me exausta, a flutuar num mar de hormonas, nervosa e preocupada com a responsabilidade em ser a principal fonte de sobrevivência daquela criatura. Só queria que o tempo passasse e ele começasse a ser mais ele, e eu estivesse mais habituada ao meu papel de mãe. Pois… ontem passava pelas fotos dele tão pequenino e apesar das sestas de meia-hora que ela fazia, era realmente um sossego e tão mais fácil de lidar do que agora. Como é que eu não vi isso?? Mas ele agora é um espectáculo, divertido e provocador, e isso compensa (um pouco) a trabalheira que dá.
Ainda estou para perceber se entretanto com esta coisa das saudades do pouco trabalho que dava e de ter um bebé sossegadinho e dependente de mim me vão dar vontade de ter outro. Para já não acredito muito nisso, estou muito bem assim, obrigada. Mas nunca se sabe. No meio disto tudo, o que realmente aprendi com esta coisa da maternidade é nunca dar nada por certo nem definitivo. As coisas mudam facilmente e eu tenho de apanhar o ritmo e deixar de querer controlar tudo. E há dias em que isso custa horrores, mas acho que é capaz de ser a melhor e mais dura aprendizagem da minha vida. E há algo de bom em desafiar os limites.

Saturday, September 15, 2018

Aquela culpa que mói...

Sozinha em casa com a criança porque o pai foi a uma despedida de solteiro. O miúdo anda a engrenar nas rotinas da escola e dorme noites melhores (nem quero falar muito para não azarar a coisa) e sestas mais longas.
Miúdo já dorme há uma hora sem largar um suspiro e que faço eu? Treino o scroll nas redes sociais... Ando há dias com vontade de desenhar, de escrever, de pintar as unhas, e a coisa mais produtiva que fiz até agora foi um bolo de caneca porque me apetecia um doce (e sim, continuo a alimentar de forma errada este corpo que continua a não ser o meu - assunto para mais tarde quando conseguir ordenar melhor as ideias... quem sabe, depois de as escrever no meu diário!). E agora liguei o computador, para não escrever este post no telemóvel, porque há limites para a preguiça.
Eu sei que parar e fazer coisas altamente improdutivas faz parte e devemos aceitar que nem sempre temos de estar a produzir coisas ou a fazer coisas. Podemos ser preguiçosos de vez em quando. Mas se é para me massacrar num ecrã mais valia ver séries. Ou outras coisas mais interessantes como ler.  Tenho vários livros a meio (um deles até é e-book e leio-o no telemóvel), pilhas de revistas para terminar... Ou ver o catálogo do IKEA, que seja! 
Há coisas altamente inúteis mas que de alguma forma são positivas. Fazer scroll nas redes sociais faz-me sentir pior do que depois de comer o bolo de caneca inteiro. E agora que faço eu com esta culpa?

Bem, engulo-a e borrifo-me para o assunto. Esta sensação opressora de que não há tempo para as coisas há-de passar. Amanhã com sorte, terei uma sesta longa outra vez e posso fazer o que me apetece para equilibrar as coisas. Mas se me der na gana na altura, vou mesmo é dormir com o miúdo. Escrevo e desenho quando conseguir ou se sentir uma urgência ou necessidade imensa. Ele ainda é bebé e eu ainda tenho o direito de me sentir cansada. Os meus sonhos e ideias estão cá e não os quero deixar ir embora e hei-de redescobrir a minha produtividade e criatividade nestes escombros (aliás, eu sei que nunca me abandonaram completamente, depois da festa do Gonçalo)
Agora vou mas é ler antes de dormir que também faz bem e ajuda. E medito deitadinha na cama que também conta.

Friday, September 7, 2018

Setembro é sempre aquele mês...

Eis que 3 semanas volvidas estou de volta a estas lides, apenas para constatar que as férias passam sempre a correr, mesmo que durma pouco. Não vou entrar em detalhes do que é ter quase 3 semanas de férias para só ir 1 para fora e as restantes serem para limpar, arrumar, organizar a casa e a roupa. Nem o que é passar férias com crianças (spoiler: não são férias) ou dicas para o mesmo (deus me livre, nem sei como sobrevivi).
Apenas queria fazer uma pequena reflexão sobre o que é voltar à minha terrinha e como é regressar a casa depois de lá passar uns dias. Spoiler: é maravilhoso. Não interessa que esteja em férias que não são férias, que não consiga parar um segundo, que tenha levado papel e caneta e não escrevi uma linha, mas a inspiração que recebo dali continua a tocar-me, mesmo quando não posso fazer nada quanto a isso. E soube mesmo bem regressar a casa e perceber que sinto novamente Setembro como um mês de recomeços. Mais uma vez, não que tenha feito grande coisa sobre isso, andámos a matar saudades da família no regresso e depois começámos a levar a injecção da creche, que é todo um novo capítulo e uma nova dor-de-cabeça.
Mas a aproximação do Outono faz sempre com que me apeteça planear os próximos passos, começar esta fase do ano com outra energia e vontade, recolher em casa, projectar intenções para a minha vida… É sem dúvida, a minha fase do ano preferida.
Agora vamos a ver se isto não cai em saco roto e realmente avanço com as coisas. Ando já a fazer listas e a pensar no Natal (a ver se este é finalmente o ano em que despacho as prendas com mais antecedência para gozar dezembro com outra calma). Estou mais do que pronta para o Outono (até porque o verão não colabora e já quer avançar para a próxima estação). Vamos a isto?

Thursday, August 23, 2018

Amamãetação, ou como isto custa como o raio - parte 3

Chegámos à terceira e última parte de posts sobre a amamentação. Não volto a fazer-vos uma destas tão cedo...

Pois bem, passadas as dores e as agonias a coisa começou a decorrer mais tranquilamente. Ele mamava bem, tinha força, e eu finalmente conseguia parar para respirar. Foi nesta fase que consegui retomar leituras com calma enquanto ele demorava eternidades a mamar. A sério, o miúdo demorava o tempo que queria! Dormia pelo meio. Por vezes pousava-o e 5 minutos depois queria leite. Não conseguia perceber quando estava satisfeito. Finalmente ele tinha atinado na mama e gostava muito da livre demanda. Não fazia intervalos maiores que duas horas, excepto de noite, que conseguia dormir umas 3 horas de seguida... de vez em quando. Não conseguia aumentar o intervalo de tempo entre mamadas, por muito que a pediatra e a enfermeira do CS insistissem.
Ele simplesmente ficava.

Entretanto, como ele crescia e as necessidades mudavam, a pediatra aumentou a quantidade de leite artificial. E aqui comecei eu a ficar desconfortável. A mastite já tinha passado, ou estava prestes a passar, vamos continuar a encher o miúdo de leite artificial? Agora que o meu corpo entrava no esquema tinha de correr o risco de desmamar? Não estava a achar muita piada.
Apesar de continuar a não adorar a experiência da amamentação em si, não queria ser empurrada para fora dela. Comecei então aos poucos a ler artigos sobre largar a alimentação complementar e dar mama em exclusivo. Sabia que era possível, sabia de uma experiência em primeira mão. Mas não sabia o como.
(Faço aqui o parênteses sobre o assunto de contactar ajuda especializada de uma enfermeira ou uma CAM. Eu tentei no início, mas em Agosto era uma fase de férias e nem toda a gente estava disponível, o grupo da Liga La Leche estava parado, a irmã de uma rapariga que conhecia, que é enfermeira especializada também esteve quase para vir ajudar, mas uma noite mal dormida ditou que o encontro não acontecesse e essa rapariga estava grávida de fim de tempo, não deu para outras combinações. Por isso isto foi tudo muito à base de procurar soluções e tentá-las organicamente.)

Então fui testando. Continuava a dar de mamar em livre demanda. Por vezes não dava o leite artificial (especialmente porque ele mamava com muita frequência, e não podia fazer intervalos menores que 3 horas), à noite, com a preguiça em aquecer biberões e afins, quase não dava e ele parecia bem e satisfeito. E aumentava de peso. Numa consulta de rotina disseram que podia tirar o leite artificial à vontade, que o meu era suficiente. Só dava leite artificial à noite naquela de ver se ele dormia mais (nunca funcionou) e ele continuava a desenvolver-se lindamente. Uma noite tirei o leite artificial e não notei diferença. E assim voltei a amamentar em exclusivo. 
No meio disto tudo, devo ter comprado umas 3 ou 4 latas de leite artificial. 
Olhando para trás, parece ter sido um processo relativamente simples, mas naquelas fases complicadas, na loucura das hormonas, fui muito infeliz. Ninguém nos prepara para isto.

Hoje em dia ainda amamento. Não planeei nada disto, não sei até quando vou amamentar, se vou desmamá-lo por livre vontade ou esperar até ele querer. O que sei sobre este assunto é:

1- Amamentar é uma cena pessoal. Nunca deveremos julgar ninguém ou tentar influenciá-la só porque não concordamos. Eu já tive em todos os lugares do espectro, desde odiar com todas as forças, como adorar profundamente a experiência. Chorei de dor e de alegria. Mas não quer dizer que seja assim com toda a gente. Respeito toda a mãe que amamenta até aos cinco, como a que amamenta 6 meses, como a que não amamenta porque não pode, como a que amamenta porque não quer. Eu tive alguma sorte com a minha experiência, insisti porque quis e por alguma preguiça em assumir determinadas mudanças. Não sou nenhuma heroína por ainda amamentar, mas tenho motivos para dar continuidade.

2- Deveríamos mesmo ter acompanhamento mais especializado disponível. A amamentação é pior do que a gravidez e a privação de sono, e birras, tudo combinado. Mil obrigados às enfermeiras do SOS Amamentação, às enfermeiras do centro de saúde que foram dando apoio e conselhos, às mães que, amamentando ou não, me deram muitas perspectivas sobre o assunto para eu poder decidir o que queria fazer. Procurem sempre apoio e ajuda se têm dúvidas.

3- Amamentar pode ser muito lindo, mas também pode ser a pior seca da vida. Quando o bebé demorava 40 minutos a mamar em cada mama (até chegar aos 3 meses, idade em que lá aprendeu a acelerar a coisa) eu andava a morrer uma morte lenta de tanto tédio. Vá que me fui orientando para ler durante o processo. Essa coisa do vínculo especial... eh! Há momentos muito bonitos e especiais, claro, muitos deles gerados da minha emoção, porque o Gonçalo sempre foi irrequieto e não ficava embevecido a olhar para mim nem me lia os pensamentos, como se poderia imaginar, mas também podem existir momentos em tantas outras circunstâncias, e  as vezes em prefere estar com o pai, que nunca amamentou? 
Faz tudo parte. Pode ser lindo mas não vai propriamente descer uma luz divina sobre nós.

4- É uma espécie de super poder. Não é bem, mas sinto-me como tal por isso... :P

Resumindo. Façam o que querem. O corpo é vosso, as mamas são vossas. O que interessa é um bebé alimentado e nutrido, e uma mãe que pode zelar pelo crescimento dele em paz consigo própria. Custou-me a interiorizar isto, mas é mesmo isto.
E fechamos este assunto aqui.

Tuesday, August 21, 2018

Andamos todas perdidas?

Para quem não me segue no facebook ou no Instagram, estou de férias. Para a semana estarei fora de Lisboa, mas por enquanto, estou por casa, a orientar as coisas devagarinho, a limpar a casa, a preparar a tralha para a viagem, tudo com muita calma. E pelo meio, fazemos manhãs de praia tranquilas com o Gonçalo, ele ainda dorme uma pequena sesta debaixo do chapéu e nós temos a ilusão de que podemos curtir a praia, tomar um banho de mar, folhear uma revista e apanhar uma corzinha.

Mas não era bem este assunto que vos queria trazer.
Hoje, quando fomos à praia, estava uma rapariga sozinha ao pé do nosso chapéu. Nós ficámos por lá cerca de 1h30, e neste tempo, ela foi ao mar uma vez, fumou bastantes cigarros e passou 95% do tempo ao telefone. Ora ligava a amigas, ora ligava à chefe, ora ligava a um cliente para combinar detalhes de um serviço qualquer... 

Enfim, passei a minha parca hora e meia de praia a ouvi-la desenrolar a vida e o dia-a-dia. Houve duas situações que me prenderam. Uma delas, em que a chefe lhe aconselha a ser mais assertiva com um cliente porque não poderia dar-lhe tudo o que ele pretendia no tempo que ele queria. Ao que a oiço falar com ele ao telefone como se estivesse chateada e prestes a insultá-lo, porque obviamente ela nunca soube dizer que não nem impor limites, então saíu-lhe um tom de voz mais agressivo do que seria de esperar. 
A segunda situação foi a que me fez ficar a pensar. Alguém lhe ligou a cobrar algo. Diria que é um namorado ou aspirante a namorado, que tentou contactá-la na noite anterior mas como ela se deitou cedo, não lhe retornou a chamada/mensagem/convite/whatever. E ela, ao falar com ele para lhe travar as inseguranças disse algumas frases que me ficaram... "epá, eu agora não olho para o telemóvel à noite, o que me está a fazer lindamente, devo dizer" e "eu ando a cuidar de mim, hoje levantei-me às 7h e fui caminhar, ando a ir ao ginásio, vim à praia sozinha...". E doeu-me um pouco o coração por ela. 

Não que houvesse algo de mal no que ela disse ou no que faz, pelo contrário (quem me dera voltar ao ginásio e ir à praia sozinha). Mas por perceber a insegurança por detrás de tanta actividade. Não sei se ela estaria a enfrentar uma depressão ou apenas a tentar dar alguns passos numa evolução pessoal. Como vemos tantas vezes nessa internet fora. Até na porcaria dos detox digitais e afins vamos nas modas (sim, eu assumo, o meu detox digital foi fraco e não rendeu nada, foi mais uma experiência para sentir que consigo, eu ainda não estou pronta para abdicar da distração que as redes sociais trazem, tal como não tenho estado preparada para fazer dietas e continuo com peso a mais).

Fiquei triste porque andamos todos a tentar encontrar um propósito, porque a internet e a vida digital nos trazem tanta informação, mas também tanta frustração. E aparentemente, nestas experiências pessoais, também não acrescenta propriamente algum conteúdo, porque muito disto é superficial. 

Aquela rapariga podia estar a deixar o telefone desligado à noite, mas é óbvio que não sabe estar sozinha, senão não teria passado todo o tempo ao telefone a falar com várias pessoas, e acredito que não tenha tirado prazer algum da sua passagem pela praia. 
Estamos todos a ser mordidos pelos bichos do mindfulness e da felicidade e seguimos os passos que nos sugerem na esperança de encontrar aquela faísca, aquele momento "eureka" e esquecemo-nos de viver, esquecemo-nos de olhar para nós e perceber se é mesmo aquilo que queremos e gostamos. Se calhar para ela o ideal seria ir a um shopping, e se calhar sairia de lá com a cabeça mais tranquila do que estar na praia sozinha apenas porque algum guru de auto-ajuda ou uma influencer dizem que é bom.  

Claro que sou a favor do melhoramento pessoal, mas também do auto conhecimento. Mas temos de saber o que gostamos e o que nos faz feliz. Comigo, quando estou muito confusa e cansada e stressada, ler é o melhor remédio. É onde sou feliz e estou plenamente tranquila, onde posso ser eu. E a partir daí posso decidir o que fazer a seguir. Mesmo que não seja a minha área de conforto. 
E sei que já sou uma sortuda por saber isto. Mas tenho pena, tenho tanta pena de não sabermos lidar connosco próprios. Estaremos perdidos? Seremos cegos a liderar cegos? Algum dia tudo isto fará sentido? 
Enfim, não procuro respostas, apenas queria partilhar esta reflexão convosco.
Se não voltar entretanto, boas férias para mim... ;)

Wednesday, August 15, 2018

Amamãetação, ou como isto custa como o raio - parte 2

Continuamos a saga da amamentação. Sei que isto por vezes pode ser extremamente secante para quem não é mãe, mas escrevê-lo está a ser muito positivo para mim. Entretanto queria acrescentar, depois de ler o post da Lénia e ela focar um motivo muito forte para dar continuidade à amamentação... ser grátis e ser muito prático, sem ter de comprar um porradão de acessórios e afins. Mas ainda vou falar nisso. Para já, o Gonçalo tinha pegado finalmente na mama...

O puto mamava até se fartar. Larguei a bomba, não tinha necessidade dela. Eu andava dedicada à coisa, fazia calor e frio, punha creme de lanolina, dava leite em livre demanda (que odiei nesta fase), não fazia feridas nem estava particularmente incomodada. Achava que já estava a caminho do sucesso.

Até que um ou dois dias depois de ele pegar na mama, senti frio e estava cansada. Estávamos em Agosto, num verão super quente. Algo não estava muito bem. Tinha febre, e rapidamente me apercebi que tinha um durão na mama esquerda. Pouco depois percebi que afinal eram dois. E a pele começou a ficar rosada, em cima do durão. Não doía muito, mas incomodava e assustava. Decido ligar para o SOS Amamentação (que foram umas queridas, e com quem acabei por falar várias vezes nestes primeiros tempos). Descrevi o que se passava comigo, me lá me dizem que teria certamente uma mastite e encheram-me de conselhos e recomendações sobre como massajar o peito e minimizar a coisa e desfazer os nós. Era importante o bebé mamar muito da mama afectada para ajudar a voltar tudo ao normal. 
Ao mesmo tempo, tive a oportunidade de consultar rapidamente a minha obstetra, que viu e confirmou que estes eram sintomas de uma mastite, prescreveu uma receita de antibiótico e anti-inflamatórios e eu cruzava os dedos para que o esforço conjunto desse certo. 
Eu tentei fazer tudo certinho.

Só que depois começou a doer quando dava de mamar. Punha compressas quentes, punha o bebé a mamar, compressas frias, fazia massagens com uma garrafa de plástico com água quente, punha folhas de alface congeladas a seguir (recomendações e truques das enfermeiras da SOS Amamentação), e mesmo com os comprimidos todos, não passava. Eu começava a temer cada vez que o Gonçalo chorava para comer. Na mama direita, apesar de não ter nada visível comecei a ter dores excruciantes e assustadoras, como se em vez de sair leite, me estivessem a introduzir ácido pelo interior da mama. Tinha de morder a minha mão para não gritar de dor. Mas chorei muito.

Foi aqui que comecei seriamente a pensar desistir desta merda toda. Sentia-me triste, exausta e sozinha.

Eu ficava rancorosa com as outras mães que me mandavam mensagens de força e diziam para continuar, que elas também tinham superado e coiso. Até que uma prima me ligou e contou a história de amamentação dela, que durou apenas 2 meses (e que na altura me parecia uma eternidade. Eu levava duas ou três semanas disto, naquele momento não me imaginava a dar de mamar 2 meses), mas ela lá partilhou a história dela, dizia que lhe doía, que fez feridas e sangrava, e tinha sido traumatizante, que temia cada momento em que tinha de dar de mamar e quando desistiu se sentiu tão mais tranquila para simplesmente ser mãe. Terminou com um “faria na boa 10 partos sem anestesia do que voltar a dar de mamar”. 

Eu revi-me MUITO na experiência dela e fiquei bem mais calma depois desta conversa. É que por muitas boas intenções que toda a gente tivesse, eu estava realmente a sofrer e às vezes, mais do que encorajamento em seguir em frente só queremos ouvir "é ok se parares, não precisas mesmo de fazer isto se não quiseres". 

Ponderei bem o processo todo para parar com a amamentação. Mas não sabia se queria deixar já. Eu queria muito amamentar e queria muito que aquela infecção passasse. Disse a mim mesma que tentaria mais uma semana, que dava hipótese ao antibiótico para funcionar, para o caroço desinchar, etc. Só que o antibiótico pouco adiantou. Os dias passavam e não notava diferença. As dores continuavam, eu chorava a amamentar e dizia a mim mesma que aquilo era absolutamente errado, que ia parar.

Mas era a minha escolha (ainda que a questionasse umas 578 vezes por dia). Ouvi uma história de uma rapariga que parou a amamentação num momento de stress e se arrependeu. Eu não me queria arrepender, eu sonhei tanto com aquele momento, com aquele filho, ainda não me sentia pronta a desistir.

E sim, antes que perguntem, eu tinha noção que estava a ceder, não sei se às convenções de "amamentar é que é", ou se tinha algum sentimento de culpa, eu andava tão dividida que já não sabia o que fazer. Não sou nem nunca fui fundamentalista, mas sou a favor da amamentação. E eu queria mesmo essa experiência, por isso continuava a adiar a decisão de parar. Não que esperasse que se ia tornar bom, já não acreditava nisso, mas apenas porque também tinha medo de parar de um dia para o outro. O início deste processo é muito delicado, e enquanto a produção não estabiliza e encontra um ritmo tudo é imprevisível. 
Então, por medo dos comprimidos e de piorar a situação, e porque já conhecia aquela face da luta, dei por mim neste piloto automático de sofrimento prolongado qual mártir da maternidade.
(eu sei, eu sei! Hormonas!)

O meu tipping point foi quando me meti nas urgências para reavaliar a situação da mastite. Por esta altura já tinha começado a complementar a alimentação do pequeno com leite artificial, que ajudou bastante a minimizar os períodos de dor e desconforto e tirou-me a responsabilidade de ser a única pessoa a ter de alimentar o Gonçalo.
Peguei em mim num domingo de manhã e lá fui enfiar-me num hospital da luz semi-deserto. Mudaram-me a medicação, e chamaram uma enfermeira que me explicou como massajar o peito e drenou uma boa parte do leite parado. Os nódulos não doíam nesta fase, mas eram enormes, sentia-me deformada. Mas ela lá me ajudou a reduzir o volume e o desconforto. Aprendi bastante com ela. As coisas iam mudar, ou pelo menos já percebia um pouco mais do funcionamento da coisa. 
Ainda fui à farmácia e quando regressei a casa, o Gonçalo tinha dormido o tempo todo, tinha acordado há pouco e não tinha pedido leite, parecia que estava à minha espera. Achei que era um bom prenúncio para a última oportunidade que daria à coisa. Quase posso jurar que não me doeu dar-lhe de mamar dessa vez. E em 3 dias estava visivelmente melhor. Ao fim de uma semana não tinha dor nem nódulos (apenas uma parte da pele a secar e enxertar-se a si própria por causa do (des)inchaço). Já não chorava, e apesar de odiar ficar parada tanto tempo a amamentar a cria, já tudo parecia mais natural, apenas realmente chato.

Mais tarde, ao falar com a enfermeira do centro de saúde contei-lhe que desconfiava que a bomba do leite tinha sido a causadora da mastite, e ela confirmou que usar bomba eléctrica em fases iniciais era muito complicado, porque estimulava demasiado a produção de leite e podia dar azo a estas complicações. Já fica a nota para as/os interessadas. Tenham atenção a estas coisas!

E por hoje é tudo.
Na terceira (e última) parte seguem mais alguns desafios, e a parte em que eu comecei a gostar disto.


Monday, August 13, 2018

Anatomia de uma festa de aniversário.


Vou ser sincera, não sei mesmo como consegui por a uma festa de anos a andar. Bem, até sei, fui mesmo organizadinha e o mais essencial, tive ajuda, que mesmo com percalços pelo meio, atrasos, esquecimentos e breves desorientações, idas e vindas, esteve sempre lá a ajudar-me a por a festa de pé. Quando chegaram os primeiros convidados (os avós e tia), estávamos ainda a comer pizza que encomendámos para o espaço da festa e só tínhamos meia mesa posta, mas a coisa foi-se compondo. E agora que me começo a afastar da loucura do último fim-de-semana é que percebo que a coisa até correu lindamente e, atrever-me-ei a dizê-lo?, foi um sucesso.

A verdade é que me lancei numa empreitada doida. Queria uma festa como imaginava, com uma imagem bonita (defeito profissional, desculpem lá), que pudesse reproduzir na festa e queria fazer eu as coisas e a comida. Estava morta pela oportunidade de fazer um pequeno projecto e quis muito agarrar esta oportunidade. Só tenho uma oportunidade para o primeiro ano de um filho…
Passo um...Location, location, location!
A primeira coisa que tinha em mente era o espaço da festa. Uma amiga minha fez duas festas para o filho dela por aqui e eu apaixonei-me. Para além do espaço ser lindo, é próximo de casa, temos uma liberdade total para usar coisas, para reorganizar e decorar ao nosso gosto, tem uma mesa óptima e espaçosa, louça bonita, tudo de bom. E a um valor aceitável.
Passo dois... tema e afins
Outra coisa que eu queria mesmo mesmo mesmo, era uma espécie de infográfico informativo do primeiro ano da vida do Gonçalo (tinha um exemplo donde tirei a inspiração no meu Pinterest, mas parece que desapareceu para grande pena minha). Não tinha brindes e doces porque não era bem uma festa de crianças (e eu na verdade não gosto muito disso), mas queria algo que pudesse ser engraçado e diferente e que reflectisse o Gonçalo. Então fiz uma versão à minha maneira e dentro do tema, que deu para dois posters A3 e também fiz pequenos postais A5 para quem quisesse, levar. Acho que gostaram.
O tema em si foi mais difícil de decidir. Achava eu que iria para os animais da selva ou assim, visto que o puto até é leão de signo… Mas comecei a ver o tema repetido até à exaustão no Pinterest (claro que criei um board de inspiração tipo, uns 3 meses antes) e comecei a desanimar. Não que esperasse inventar a roda nesta fase, mas queria algo que pudesse adaptar melhor aos nossos gostos e que fosse um pouquinho diferente do que vemos para o primeiro ano. Então deparámo-nos com este post e a partir daqui vimos que queríamos mesmo o tema “little man”, e com inspiração nos ícones hipsters, as coisas ganharam forma. Acrescentei umas pinceladas de aguarela made by me e a coisa estava lançada. Serviu para o convite no facebook, para etiquetas de comida assim como outras pequenas peças espalhadas e ainda umas peças comestíveis (mais sobre isto à frente). Até a roupa do Gonçalo estava pensada para o tema (mas o calor não deixou que usássemos a camisa e o laço).

Um detalhe que quis acrescentar e que foi um pouco o flop, mas vá, numa festa de um bebé com crianças aos pulos é sempre difícil de pedir essa disponibilidade, foi o pequeno livro de dedicatórias. Disponibilizei canetas e carimbos para poderem desenhar e escrever. Poucos foram os que escreveram, mas vou agora dedicar-me a perseguir os que não o fizeram. E sim, no fim, quero escrever eu, quando encontrar a paz e o sossego para o poder fazer com calma. Gostava de repetir todos os anos este passo, ou fazer algo semelhante para que o Gonçalo tenha sempre as palavras e encorajamento da família e amigos. É tão fácil perdermo-nos nas rotinas e nas complicações de todos os dias e sentirmo-nos longe de todos, acho que estes artifícios nos lembram o quanto gostamos das pessoas e elas de nós. Por isso é que gosto tanto de escrever cartas, seja sobre o que for.


Passo três... O que comer
Quanto às comidas, também não inventei grande coisa. Claro que adoraria ter entrado numa onda mais sugar/gluten free mas não havia tempo para grandes invenções. Havia sempre as típicas pipocas, batatas fritas, sandes, espetadas de fruta e salgados. Dediquei-me essencialmente em fazer algumas coisas de raíz e com a ajuda da bimby fiz um salame de dois chocolates, bolo brigadeiro, bolo de anos e limonada. A minha irmã pelo seu turno fez gelatina e cozinhou os folhados de salsicha que tinha preparado e congelado de antemão. E acreditem, isto já foi trabalho suficiente. O que deu um  ar de sua graça e que fiz mesmo muita questão, foi ter impressões personalizadas da imagem da festa em bolachas pela Oficina da Flor. Desde os tempos do Sweet Rebel Bride que andava fisgada para fazer umas bolachinhas personalizadas, e por pouco ia perdendo a oportunidade porque estão em tempo de férias. Mas lá consegui imprimir com antecedência, e colei eu em bolachinhas para não se perder o efeito (usei chocolate branco derretido). Não ficou nada mau e dá sempre aquele toque à mesa, para além de que eram deliciosas.

O bolo

Não há muito a dizer sobre isto. Confesso que adoraria ter tido um bolo alto (teria de fazer duas vezes a receita), mas não tive tempo para mais. Na minha ideia queria um bolo muito simples, com uma decoração simples também (acabei por fazer o cake topper, como podem ver na primeira foto deste post, com bandeirolas a reproduzir a imagem que criei) e uma vela azul que corri tudo para a encontrar, finalmente, na tiger - abençoada!

Queria um bolo relativamente simples e meti na cabeça que teria de ter cobertura de queijo-creme, talvez para poder dar a provar ao Gonçalo sem grandes culpas, se bem que na hora H ele nem quis saber. Encontrei esta receita e devo dizer... nunca fiz um bolo tão bom. Não era muito grande, é certo, mas tendo em conta o lanche, nunca pensei que toda a gente o adorasse tanto a pontos de desaparecer por completo. Eu só comi umas duas garfadas, em breve terei de o fazer de novo para o devorar conveniente.
Ainda consegui que toda a "loiça" descartável usada no bolo fosse amiga do ambiente , assim como usei apenas palhinhas de papel (não havia budget para mais, mas damos passinhos pequenos e já não está tudo perdido), tudo do Jumbo. Vejam este post da Helena, foi lá que descobri.

Fazer o bolo, enfeitá-lo com a decoração feita por mim e ainda poder fazer desse momento um momeno sustentável, foi uma das sensações mais incríveis nesta experiência toda. Estava tão parecido com a minha imaginação, e saber que toda a gente adorou... Enfim, não sei explicar.

Escrevo-vos este post completamente de rastos, numa segunda-feira quase sem dormir, mas muito feliz de ver as ideias materializadas, de ver o meu filho a crescer sob o olhar de todos os que nos são queridos,e de perceber que eu consigo fazer tudo a que me proponho, que ainda consigo concretizar, se calhar com mais gana do que antes.  
Eu ainda sou eu, e também sou mãe.
Há um ano.
Caraças!

Thursday, August 9, 2018

Reflexões sobre sonhar e querer fazer. Ou querer sonhar.

Quando era pequena, queria viver como a Ana dos cabelos ruivos, numa quinta idílica no cenário maravilhoso que era o frontão verde. Queria uma vida rodeada de paisagens naturais, caminhos ladeados de árvores e flores até à escola ou até à casa da minha melhor amiga. Queria uma quinta com animais, ovos frescos todas as manhãs, leite acabado de ordenhar da vaca, viver uma vida mais lenta, ter tempo e espaço para escrever e desenhar e pintar.

Eu identificava-me plenamente com a Ana, acima de tudo no facto de ser uma cabeça no ar que vive a vida presa à imaginação e muito pouco na realidade.
E é engraçado porque já dei mil voltas, mas acho que eu continuo a ser assim.
Só que a um outro nível. O nível das histórias de encantar das redes sociais.

Já me deixei deslumbrar por tudo isso, e tempos houve em que adoraria ser como aquelas bloggers que transcenderam e ganharam notoriedade e dinheiro e têm um emprego de sonho a trabalhar de pijama no sofá. Já achei que tinha de aprender a costurar, a tricotar, a pintar aguarela, gestão de redes sociais, fotografia, escrita criativa. E fiz muitas destas coisas cheia de vontade e intenção. Comprei cursos online, e-books, alimentei-me desta informação, entusiasmada. Ainda hoje tenho uns quantos por fazer, porque convenhamos... não há tempo para tudo.

Mas sinto por vezes que nunca me entreguei verdadeiramente a nada. Ainda exploro alguns destes meios criativos (sendo que a escrita e o desenho/pintura sempre foi o meu foco principal porque sempre adorei fazer) e acho que me vai apetecer sempre dedicar-me um pouco a tudo isto. Vou sempre gostar de trabalhos manuais e de fotografia e de escrever muito. E não há mal em gostar de tudo e ser interessada em muita coisa. Só acho que insisti nisto pelos princípios errados. Acho que queria a vida de algumas pessoas que seguia. 

Recentemente libertei-me da ideia de que este terá de ser um objectivo profissional, ou que me iria fazer mudar de vida. Sim, a mudança vem, mas há muitas formas de mudar. A mim tem-me ajudado a repensar, a procurar-me, e não tanto “isto agora tem de me preencher enquanto pessoa, senão não serei válida”. 

Tem sido um caminho algo frustrante este. Mas a verdade é que antes de procurar lá fora o que quero, deveria olhar para dentro de mim. E muitas vezes andei deslumbrada com o mundo que se vive do outro lado do ecrã, como se fosse o mundo da Ana dos cabelos ruivos. Como se, apesar da beleza, esse mundo não escondesse tristeza, frustração, solidão… A Ana era tão imaginativa porque precisava de um escape da sua vida de órfã. Eu sempre fui muito introvertida e não me dei muito bem com as convenções e com o mundo fora de portas, pelo que também vivia num mundo de fantasia.

Por isso agora quero mesmo é olhar para mim, para a minha vida, para os meus desejos e perceber o que quero, o que é para mim. E fazer coisas, do princípio ao fim. Devo-o a mim mesma, e aos meus. Mesmo que seja aborrecido ou sem objectivos. Será sempre especial porque é meu.

Tuesday, August 7, 2018

Amamãetação, ou como isto custa como o raio - parte 1

Queria muito falar deste tema, e agora que o meu miúdo tem quase um ano e eu levo quase um ano disto, achei que era interessante fazê-lo finalmente. Sei que mencionei contar a história do meu parto, mas acho que há ali pouco para dizer, portanto tenho alguns posts dedicados à minha experiência neste tema. Espero que gostem, se não gostarem... este blog volta à programação normal dentro de instantes.

Há tempos fizeram-me uma pergunta interessante… qual o momento mais marcante e mais intenso em relação à gravidez e consequente maternidade.

Quase um ano depois de parir, há tantos momentos maravilhosos e intensos, que à partida diria que a escolha seria difícil, mas quando fiz um rápido check mental ao último ano, a resposta acabou por ser muito simples. A amamentação. Todo o processo da amamentação. Ainda hoje é algo que me transcende e me faz questionar muita coisa, ainda hoje leio e informo-me e pergunto-me se estarei a fazer bem. 

Há tempos li no Observador uma série de reportagens acerca da amamentação (a propósito da prestação dos Estados Unidos na Assembleia da OMS em relação à promoção e protecção da amamentação) e numa delas, a consultora Cristina Pincho disse aquilo que gostaria de ter sabido antes “É mais importante a mulher preparar-se para a amamentação do que para o parto”. 

Não é à toa que este é um assunto que dá pano para mangas. Há TANTA coisa, tanta área cinzenta, tantas complicações e ainda chama tanta atenção que uma pessoa nunca consegue ouvir o seu instinto.

Eu fui um pouco parva. 
Não quis aulas de preparação para o parto. Sempre fui muito pragmática em relação ao parto, nunca questionei ou idealizei esse momento, até porque o pai da criança não ficaria comigo. Ele não se sentia confortável e eu, sinceramente, também não. Por isso sabia que queria seguir as indicações que me dessem no hospital, que confiava no hospital que escolhi, e que me ensinariam os básicos. Vi alguns vídeos explicativos de cuidados com o bebé e confiei que o meu instinto me ajudaria a encontrar o meu caminho quando estivesse na dúvida. E também temos família que pode apoiar e ajudar.

Quanto à família estamos bem, claro que há palpites e opiniões sobre tudo, mas eu sou muito tranquila quanto a isso. Podem dizer tudo à vontade, eu retiro o que faz sentido para mim e o que não faz, ponho de parte sem criticar ou me chatear (curiosamente achei que este tipo de confiança ia demorar a construir, mas foi mais rápido do que julguei). 
No resto, errei redondamente. O meu parto não foi lindo, mas também não foi traumatizante. Acho que estava preparada para que não fosse nenhum momento transcendental, uma vez que imaginava que talvez tivesse uma experiência parecida com a da minha mãe, e por isso encarei muito bem as 28 horas de trabalho de parto frustrado para culminar na cesariana. 

Não estava era preparada para ser tão largada à minha conta quando saí do bloco de partos. Tive inclusive uma auxiliar que foi altamente brusca comigo quando perguntei se me ajudavam nos cuidados iniciais com o Gonçalo, ao que ela respondeu “a gente não faz nada, quem trata é a senhora!” e eu, agrafada e ainda sem sensibilidade nas pernas a dizer incrédula “mas acabei de fazer uma cesariana, alguém tem de me ajudar porque nem sequer me consigo por em pé nem pegar no bebé…”.

Enfim. Acreditem que hoje já tenho mais noção do género de parto que gostaria de ter, e se se der o acaso de ter outro filho, há coisas que vou definir de antemão sim. Houve algumas pessoas que me trataram como gado (inclusive a médica de serviço), o que valeu foi que outras eram extraordinárias.

Outra coisa que aprendi é que o instinto foge para parte incerta na confusão das hormonas. Esse foi mesmo o meu maior erro e aquilo que ninguém me explicou. Uma pessoa sabe que vai deixar de ter vida, mas não espera deixar de ter identidade, por muito que digam que te começam a tratar por “mãe”, não é bem aí que acontece. É quando és engolida pelas necessidades do pequeno ser que puseste no mundo. É quando percebes que tu és a primeira casa dele e a sobrevivência dele depende de ti. É avassalador. Deixas de ser tudo o que eras antes para estares ali para ele. Lembro-me que na noite do nascimento dele o meu moço saiu do Hospital e foi ver o jogo do Benfica com um amigo (não me oponho, claro, ele não podia ficar comigo), mas eu também queria ir ver o jogo, comer tremoços e beber cerveja e não podia. 

Mas estou a desviar-me do assunto. 
A amamentação começou com o pé direito. Acho que começa quase sempre. Ele sai da barriga e só quer mamar. Eu confesso, andava doidinha para perceber qual a sensação. A minha mãe dizia que tinha adorado a experiência, e que era como se nos fizessem cócegas por dentro. No início era mesmo assim. Muito simples e imediato, tudo muito animal, muito óbvio. Muito bonito.

Só que o Gonçalo teve de ir para a incubadora. Esteve 3 dias longe de mim. E isso baralhou tudo. Sonda no nariz, leite artificial, começar a tirar colostro com bomba logo no início para complementar a alimentação artificial… e por muito que as enfermeiras (abençoadas) tentassem pô-lo a mamar, era frustrante. Um bebé na incubadora já não sabe se está na barriga ou não, mamar não é a primeira coisa que lhes apetece, especialmente se o estômago se vai enchendo sem esforço. Tentei várias posições, mamilos de silicone, e ele por vezes mamava e até pegava bem, mas não durava muito. Quando teve alta ainda não sabia mamar, mas diziam que estava bem encaminhado. A pediatra que lhe deu a alta inclusive deu-me uma série de dicas vagas, e o nome da clínica onde faz acompanhamento e lá fui eu, sem ideia de como se fazia isto, com um filho que foi alimentado por estranhos durante dias, que bebia o meu leite em exclusivo mas num biberão (ainda por cima daqueles descartáveis do hospital), que supostamente é o inimigo da amamentação. 

Felizmente no meio disto tudo, eu não tive sintomas esquisitos da subida do leite ou afins, e a produção foi aumentando sem grandes complicações e isto dava-me esperança que pelo menos lhe pudesse dar o meu leite. Mas confesso, partia-me o coração que o meu filho não conseguisse mamar no meu peito.

As minhas tentativas eram trapalhonas e frustradas, o Gonçalo pegava bem mas cansava-se, chorava, frustrava-se. Mas eu insistia, ainda achava que iria conseguir. Partiu-me o coração quando o meu companheiro me disse que eu devia habituar-me à ideia de ter de tirar leite com a bomba, se quisesse dar de mamar. Porque até à data era mesmo a única coisa que funcionava. Já tinha desistido dos bicos de silicone porque me feriram. 
E eu ia-me mentalizando enquanto bombeava leite às 4h da manhã, a ler furiosamente artigos sobre amamentação e a receber conselhos de mães que me diziam que isto não é mesmo fácil, mas não era impossível. E a pensar que talvez não fosse impossível para os outros, mas parecia que ia ser para mim.

Porque raio eu queria tanto dar de mamar?
Por dois motivos muito simples… um, é biológico, eu tinha curiosidade e tinha uma vontade imensa de cumprir esse propósito. Acho incrível. Não o vejo como uma coisa de beleza transcendente, nem como uma coisa animal desvairada. A amamentação é algo absolutamente natural e queria muito que fosse tranquila. 

E o outro motivo era precisamente pelo que a minha mãe dizia, ela tinha adorado, lembram-se? Talvez procurasse algo mais para me sentir ainda mais próxima dela. É que hoje, 12 anos passados da sua morte, depois de crescer e viver mil experiências que me moldaram na pessoa que sou, ainda sigo as suas palavras como verdades universais.
E não sei se terei mais filhos, então tenho de agarrar esta oportunidade e não desistir, ainda não.

Um belo dia, tinha o Gonçalo uma semana e pouco, experimentei dar de mamar deitada. E assim sem mais nem menos, ele pegou, mamou sem dificuldade, até se fartar e adormecer. Foi o meu momento de triunfo. Sem ajudas, sem adereços extra, e até sem grande esforço cheguei lá. Ainda cheguei a levar a bomba comigo no início, mas rapidamente a dispensei, não tinha sido um acaso isolado, ele de facto estava a mamar por ele próprio. E pronto! Já estamos bem encaminhados, vamos a isso.


Era bom não era? Pois, ainda tive mais algumas aventuras, aliás, ainda nem cheguei à pior parte…
(Ainda aí estão? Não acredito que tiveram a paciência de ler isto tudo. Ainda vêm mais posts sobre este assunto em breve)

Thursday, August 2, 2018

Quando alguém morre, aqueles momentos irreversíveis em que a respiração se perde, assemelham-se-me ao momento em que um barco perde os remos e fica à deriva. Quando a noticia de uma morte chega, faço as contas de há quantos minutos a pessoa deixou de viver, e está ali tão perto, o momento acaba de passar mas quase que o poderíamos agarrar e talvez se conseguisse salvar aquela vida suspensa. Um remo perde-se e flutua e por momentos quase lhe tocamos mas ele foge do nosso alcance.
É assim a morte, a imensa crueldade da morte. Não interessa se estamos à espera ou se é uma surpresa trágica. Há um momento em que tudo muda, e não podemos fazer nada para o mudar de volta.

A realidade mudou esta semana. Não se apoquentem por mim, não é comigo ou com a minha família. Mas dói muito porque tenho um carinho especial por uma das pessoas que mais sofre. E é como se fosse connosco. A morte cansa. Destroça quem cá fica, recolhe pedaços, deixa perguntas no ar que nunca terão resposta. 

Dirão os mais pragmáticos que a vida é mesmo assim, que faz parte. E faz. E eu própria penso nisso para amenizar a dor. Não podemos fazer nada para contrariar, para evitar ou esquecer. Só viver o presente, até ao detalhe mais aborrecido e agradecer cada inspiração de ar fresco, cada raio escaldante de sol no corpo.





Photo by Lucas Silva Pinheiro Santos on Unsplash

Há mortes que não deviam acontecer. Há dores que não deveriam ser vividas. 
À M., nunca será esquecida.

Wednesday, August 1, 2018

7 anos de caixinha de Pandora

Photo by Gades Photography on Unsplash

Dizem que 7 é aquele número mágico, sortudo, cheio de significado.
Nunca liguei muito a números, mas sem dúvida que é uma bela idade para este blog. Já escrevo blogs há13 anos, e este provavelmente é o mais duradouro e feliz. Este blog acompanhou-me nas alturas mais importantes da vida, fiz 30 anos com este blog, separei-me, encontrei amor, fui mãe, apaixonei-me pelo meu emprego, cansei-me, mudei de emprego, procurei alternativas aos empregos, cansei-me, viajei, desenhei, pintei, inspirei-me e procurei inspirar, perdi-me, desorientei-me... e acho que cheguei a uma altura especialmente interessante, em que me estou a encontrar. Tudo aqui, tudo por perto. 
Ando a magicar algumas mudanças aos poucos, e gosto da ideia de o desenvolver devagarinho e sem pressa. O meu cantinho pessoal e sossegado. 
Que já tem 7 anos. E em 7 anos tanto mudou, o planeta girou 7 vezes à volta do sol. Que venham mais algumas voltas e novos desafios e aventuras. Ou a rotina chata do dia-a-dia. Venha o que vier, eu cá continuo.
Obrigada por estarem aí. 

Thursday, July 12, 2018

Vamos falar de mudanças?


Há dias falava que me custava mudar. Mas também que precisava de o fazer o quanto antes. Pelo meu corpo voltar a ser meu e por me sentir identificada comigo mesma quando me olho ao espelho.

Uma coisa eu tenho de dizer antes de avançar mais... ainda tenho uma admiração enorme pelo meu corpo e pelo que ele criou, mas também sei que tenho sido negligente por isso mesmo. Ainda não encontrei o equilíbrio mas estou já em processo, e sei que com isto iniciei uma longa viagem de autoconhecimento e de reconhecimento de mim mesma.

Dizia eu que precisava de me reconhecer. Fiquei com a sensação que a maternidade me despojou de tudo e me vai devolvendo aos poucos o tempo, a clareza, a disponibilidade e a vontade de eu ser eu própria. Eu própria, mas agora mãe.
Quando escrevi esse post, uma boa parte de mim lutava para não me deitar abaixo pelo meu desleixo, lutava para não me sobrecarregar de críticas e não me chamar nomes feios. Não quero odiar-me, já me deixei disso, mas também não andava propriamente compreensiva comigo própria.
Só sei que olhava ao espelho e não me podia ver. Não sei se são as olheiras destes meses, se a pele está mais baça e sem graça, se ganhei rugas no canto dos olhos, a verdade é que algo não estava bem.

Talvez por isso não conseguisse ser tolerante comigo mesma. Olhava ao espelho e sentia que precisava de mudar algo. Não podia ser o peso, não já, ia demorar demasiado tempo. Precisava de algo mais rápido. E com os constrangimentos de ter um bebé que se agarra a meu cabelo para se equilibrar como se eu fosse a Rapunzel, de ter semeados cabelos enormes pela casa toda, de estar sempre a desviar cabelo da cara do Gonçalo quando o amamentava, comecei a alimentar a ideia de cortar o cabelo um pouco mais curto, de experimentar um corte novo, de voltar a ter alguma liberdade de movimentos e menos tempo à espera que seque depois de o lavar. Afinal, mudar de corte já é uma mudança grande na vida.

Esta semana decidi também que estava na altura de juntar duas decisões de uma vez só e aproveitava a vontade de dar um corte grande para a transformar num corte radical e doar o meu cabelo a uma organização que o recolha para fazer perucas a crianças com cancro.
Não é muito no mar das prioridades da doença, mas é algo que sempre quis fazer. E confesso, não é fácil de tomar a decisão e não é fácil ver o cabelo a ser trilhado daquela forma.

Mas é incrivelmente libertador, e nem eu sabia do quanto precisava disto. Estou extremamente satisfeita comigo mesma porque pela primeira vez em muito tempo fiz finalmente algo, dei o passo, dois passos num só e senti-me mais capaz e veja-se... estou diferente ao espelho.
Mudei. E foi tão mais simples do que esperava.