Thursday, April 17, 2014

Repost: Porque tenho eu um blog?

Este blog anda com uma crise existencial de todo o tamanho. Ando há muitos dias quase a escrever, quase com ideias para posts, quase com vontade. E tenho reflectido muito sobre o que quero fazer com o blog e porquê. Numa fase em que a blogosfera evolui para marcas e negócios, em que há um foco no lifestyle e na qualidade dos conteúdos que se produzem, em que cada vez mais damos a nossa cara, abrimos as portas das nossas casas, e para as nossas vidas, confesso que me senti perdida nos meus objectivos. Nos primórdios da minha blogo-experiência, o blog era uma brincadeira, uma maneira de me manter em contacto, de dizer o que penso. E hoje fui pescar ao meu defunto blog, "A sequela", um texto que fiz sobre esta temática há cerca de dois anos. Espreitem lá o que me passava pela cabeça na altura...

"Comecei o meu primeiro blog em Setembro de 2005. A minha amiga S. tinha acabado de partir para os Estados Unidos para estudar e como ela criou um blog com comentários fechados apenas a users para fugir ao spam, e eu criei este perfil para poder comentar e comunicar mais com ela, e já que ali estava, vá de criar um blog também. Teve tantos nomes esse primeiro blog, mas acabou por ficar o "Pensamentos analógicos" que partilhei inicialmente com uma pequena mão cheia de amigos, serviu de troca de ideias entre mim e amigos que entretanto também aderiram à blogo, trouxe algumas pessoas novas com quem ainda vou mantendo o contacto, foi bom. Nessa altura a blogoesfera era um sítio de muito boa educação. Lembro com saudade um antigo blogger que entretanto soube que faleceu, cujo primeiro comentário no "Pensamentos" foi a pedir licença para comentar... Achei um mimo mesmo. De vez em quando lembro-me dele e das palavras da mulher dele quando nos deixou a triste notícia do seu falecimento. Enfim, é a vida, não há nada a fazer...
Depois cansei-me, sentia que o que eu escrevia não me ia levar a lado nenhum, estava numa fase de desmotivação geral em relação a tudo e decidi fechá-lo para abrir "A sequela". E aqui estou muito bem. 
Se o meu blog fosse um sítio seria um alpendre (tenho uma queda por alpendres), com paredes de madeira branca, trepadeiras, sofás confortáveis, onde eu posso dormir uma sesta e não preciso de trancar a porta porque todos são bem-vindos. Há sempre comida e bebida no frigorífico para quem me visita.
O meu blog é também ele parte de mim, da minha personalidade, do meu coração. Nunca tive a intenção de crescer muito (nunca publicitei o meu blog, o máximo que faço é comentar em blogs alheios e tive sorte de algumas dessas pessoas espreitarem e gostarem do meu alpendre), nem de fazer do blog um instrumento de trabalho, se bem que agora vejo que ainda é um meio bastante válido para o fazer e já penso nisso noutros termos daí a criação do Box, onde divulgo toda a minha actividade criativa, boa ou má, a todos os níveis, na esperança de evoluir, talvez ganhar alguma visibilidade para dar outros passos antes impensados.
O meu blog nunca serviu para dizer mal ou entrar em despiques (como já aconteceu noutros blogs), e, mesmo concordando com alguns comentários/críticas que já foram feitos a outros bloggers, nunca me deu para aí simplesmente. E os poucos comentários maldosos que já recebi fizeram-me mais rir do que chorar.
O meu blog não é um blog de actualidades, não é blog de crítica, muito menos um fashion blog. É um blog de conversa, por vezes amena, por vezes de disparates, por vezes de reflexões e episódios diários, e por vezes também de desabafos. Desabafos esses que são meus, acerca de mim essencialmente, e se nem sempre digo exactamente do que se trata, é porque também há coisas que não quero expor declaradamente. 
Eu subscrevo inteiramente o que digo no meu blog. Tudo o que escrevo vem directo do coração, e a censura é muito pouca (por vezes já apaguei posts por serem demasiado agressivos, lá está o cérebro a aplicar a sensatez).
Por isso gostava só de frisar, e esta mensagem tem um destino muito específico, que tentar usar o meu blog como arma de arremesso contra mim não funciona. O meu blog não é o meu esconderijo. É a minha casa, aquela casa grande que infelizmente não tenho na vida real mas que na virtual é suficientemente grande para todos os que me queiram visitar. Mesmo para quem vem dizer mal. E há sempre comida e bebida no frigorífico. 
Obrigada a quem me lê, a todos. Não sabem o que significa para mim ter visto aquele número de seguidores aumentar com o tempo, coisa que jamais pensei ser possível. Este blog trouxe-me tantas alegrias, são incontáveis e só sei estar grata por isso."
 
Nesta altura estava obviamente incomodada com algum assédio de que fui alvo naquela altura, mas pondo isso de parte, noto que algumas coisas mudaram e algumas ainda são as mesmas. Por exemplo, continuo a sentir que o meu blog é um alpendre, onde podemos lanchar, ler um livro, escrever cartas, sonhar em voz alta, rir, desenhar, sentar-nos em silêncio a ouvir os passarinhos, enfim, o que apetecer, o que inspira, o que se sente. Mas já não ando a desabafar toda e qualquer parvoíce que me apetece (ainda vão algumas, mas são menos), acho que já não faz sentido. Mas confesso que neste momento já não sei bem porque tenho um blog. Inicialmente tinha um objectivo muito específico, agora não quero guiar-me cegamente por um objectivo apenas porque isso me parece limitar. E quero que a Box seja algo mais fluido e que vá desenvolvendo comigo, mas ainda não sei bem para onde. Creio que é um daqueles casos em que o caminho faz-se caminhando.
Haverá certamente novo post sobre isto. Afinal, preciso de uma versão actualizada a esta questão. Porque é que tenho um blog?

(Ah! E por agora, suspendo um pouco as traduções, preciso de perceber melhor a minha voz e só depois traduzi-la.)
 
 

6 comments:

alva quase transparente said...

Happens a lot, mas com certeza re encontraras um objectivo, ou concluir que os teus objectivos passam por outro lado. Se a opçao for a ultima, confesso alguma pena. gosto da tua partilha... :)

Analog Girl said...

Alva, não quero acabar com o blog, gosto de manter este hábito há quase 9 anos (txi!!), mas de facto estou numa pequena crise existencial com ele. No entanto a ideia deste desabafo é mesmo descobrir para onde ele vai. Ainda bem que cá gostas de vir, escrever em blogs tem-me trazido pessoas fenomenais e adoro sentir que não estou aqui a falar sozinha. :)
Obrigada!

Lazy Cat said...

Eu também não sei para que tenho um blog, e não vou lá há largos meses, mas ainda não o matei. Deu-me trabalho a pôr bonitinho, e gosto de olhar para ele. Mesmo que não sirva para mais nada, serve para isso!

Merenwen said...

Porque gostamos de te ler. Porque tu gostas de escrever. Porque é uma forma de partilha, com quem te conhece na vida real e com quem te conhece só através do blogue. Porque é um modo de contacto...vai haver pausas, 9 anos é muito tempo de relacao...mas depois volta, quando te apetecer, quando tiveres vontade, nao tem que ser sempre, quando te parecer certo. Beijo

Lúcia said...

Eu vou continuando por aqui a abrir a caixinha analógica enquanto a quiseres abrir.

O caminho faz-se caminhando! É mesmo isso.

Obrigada nós por tantas partilhas bonitas!

Anna Marian said...

Sabes ao reler o teu texto e tantos outros com a mesma questao perguntei-me varias vezes... mas e' preciso uma justificacao para se viver a vida? O mesmo se aplica ao blog... Se gostamos, se o fazemos naturalmente so' porque sim, tem de haver uma resposta para o porque de criar um espaco so' nosso? Algo que nos identifica? Algo que nos eleva a moral? Nao vejo uma resposta para essa questao, nem quero pensar no porque de ter criado o meu espaco. Criei porque sim, na altura pouco ou nada sabia sobre o mundo virtual mas atirei-me para este mundo de cabeca... como se tudo dele fosse bom. O que nao e'... vim a descobrir posteriormente depois de tantas experiencias vividas. E o blog e' isso mesmo, um marco diario das nossas experiencias ao longo da nossa vida. Independentemente de ter 1 dia, 1 mes, 1 ano de duracao... e' e sempre sera' aquilo que quisermos. Beijinho :) xx